sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Espelho de vidro ou de água

Quero me ver como você me vê
como eu
sou
para você

Nú espelho é fácil a gente ver
o querers
ver o que está alí
em vez de
ver o que está aí

como o outro nos vê?
Preciso inventar
aquela figura
essa imagem

pouco de mim
outro
sempre vendo

mim
que sou eu
para ele

Ver deveras com o outro

me ver
essa imagem

estranha...

Entre o eu e o outo
se bem percebido
está sempre olhando

Espelho de vidro
ou de água.

Cheiro de mim

E quando você foi, seu cheiro ainda se fez presente nessa cidade
Sentia em cada rua que passamos juntos seu perfume
Então, um dia senti teu cheiro e era você,
e assim como te vi
te perdi
Mas o cheiro ficou guardado em mim.

domingo, 31 de julho de 2011

O ser envolto nas suas camadas,
água que brota do ventre no seio da terra.
Onde tudo se transforma no ser uno.
Ser terra no centro quente guia da vida sol,
luz no imenso universo uno.
Do amor fez-se a vida, da vida um ser em sua plenitude.

domingo, 15 de maio de 2011

Algo que move,
sonhos escritos, matéria,
tão bem dentro e fora minha escrita
todos os dias surpreende,
a viva, escrita d'alma.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Menino do mundo

Andarilho menino do mundo,
caminha por entre as montanhas,
voa como um passarinho os quatro cantos dessa América Latina,
e compartilha suas histórias.

Longe, lá de longe onde toda a beleza do mundo se esconde,
olhe adiante, escuta a voz que canta nesse instante,
olha adiante, essa voz que se mostra e se esconde,
encontra lá na frente o sonho que se expõe e se expande.

sábado, 17 de julho de 2010

Pensamento longamente entregue ao corpo, poesia ao contrário
Advento de idéias já aceitas sobre um pensamento longo,
do qual reconhece o ato poético.

Isolada imagem muito precisamente no próprio êxtase.

Nasce e renasce, isolada, de súbito
Corpo poético da poesia.

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Estímulos

Rosa pequenina
Linda infeliz se não a ilumina
Matéria fina cristalina
Menina
por tão pouco viva.