segunda-feira, 22 de junho de 2009

A que destino o destino nos destina
Irremediando a vida na carne viva
Cruamente gelado o sangue corre na retina,
Não se arrepia a pele
Apenas se impele ao galope fugidio
Do arrepio, calafrio da morte.

Um comentário:

  1. E as palavras dançam umas com outras... embriagadas.

    ResponderExcluir